10 grandes cidades que não existiam em 1960

Quando pensamos em mapas, normalmente não pensamos em algo em constante mudança, mas sim em algo estático. No entanto, desde a queda do muro de Berlin, todo o tipo de fusões e separações têm ocorrido no mundo inteiro regularmente. E isso sem incluir todas as guerras e disputas territoriais que ainda decorrem atualmente.

Neste artigo vamos nos debruçar especificamente nas grandes cidades que não existiam há 50 anos atrás. No espaço de duas ou três gerações, estas cidades passaram da insignificância para grandes centros urbanos com populações maiores que muitos países, e com um impacto económico gigantesco.

10. Incheon, Coreia do Sul

Incheon

A cidade de Incheon, na Coreia do Sul, está situada a poucos quilómetros da fronteira com a Coreia do Norte. Com uma população de aproximadamente 3 milhões de habitantes, é a terceira maior cidade da Coreia do Sul.

Em 1994 o governo sul coreano, com o pensamento no futuro, decidiu expandir a cidade de Incheon em direção ao mar, e criar uma cidade tecnológica. Com um custo estimado de 40 a 50 mil milhões de dólares, a conclusão desta mega cidade está prevista para 2020.

9. Cidade Económica do Rei Abdullah

Cidade Económica do Rei Abdullah

Não só a Cidade Económica do Rei Abdullah não existia em 1960, como também praticamente não existe agora. O Rei Abdullah tem o sonho de construir a cidade do futuro nas margens do Mar Vermelho, a cerca de uma hora da cidade saudita de Jeddah.

Com um custo estimado de 100 mil milhões de dólares, criar a cidade mais moderna e imponente do mundo é um projeto ao alcance de poucos países. É difícil saber quantas pessoas residem atualmente nesta cidade, mas está previsto que em 2020, ano em que ficam concluídas todas as obras, a população atinja os 2 milhões de habitantes. A única coisa que se sabe para já é que neste momento existem milhares de trabalhadores a construir diariamente edifícios sumptuosos.

8.Iqaluit, Nunavut, Canada

Iqaluit, Nunavut, Canada

Frobisher Bay, antigo nome de Iqaluit, foi criada como base aérea pelos militares norte americanos durante a segunda guerra mundial. Só em 1971 a pequena vila passou a ser propriedade do Canadá. Em 1999, os territórios do noroeste foram separados e foi criada a província de Nunavut, da qual Iqaluit passou a ser a capital.

Iqaluit conta atualmente com uma população de cerca de 7000 habitantes e é um caso particular entre as capitais de províncias e territórios do Canadá, por ser uma vila e não uma cidade, por ser a menor capital canadiana, e por ser a única capital não conectada com o resto do país por via terrestre.

Apesar da sua pequena dimensão, Iqaluit gere uma área de quase 2 milhões de quilómetros quadrados!

7.Sandouping, China

Sandouping, China

A área envolvente de Sandouping era conhecida com a aldeia de Huangniupu até 1984. O Governo chinês criou a cidade para albergar os 40.000 trabalhadores que participaram na construção da barragem Three Gorges, a maior do mundo.

A poucos quilómetros de Sandouping existe uma cidade chamada Chongqing, com uma população de cerca de 30 milhões de habitantes. Portanto basicamente o governo chinês criou uma cidade para construir uma barragem para fornecer energia à grande metrópole. Hoje em dia, 35.000 pessoas continuam a residir em Sandouping.

6.Putrajaya, Malásia

Putrajaya

Kuala Lumpur é a capital federal da Malásia, com uma população de 1,5 milhões de habitantes. Devido à superpopulação, o governo malaio sentiu necessidade de criar uma nova cidade que servisse de capital administrativa do país.

A pouco mais de 15 minutos a sul de Kuala Lumpur, o governo planeou e criou então a cidade de Putrajaya. Fundada em 1995, conta já com uma população de 65 mil habitantes, graças a um moderno sistema de transporte que liga a cidade a Kuala Lumpur.

5. Astana, Cazaquistão

Astana

O Cazaquistão declarou a sua independência aquando da dissolução da antiga União Soviética, em 1991. Com muito dinheiro oriundo do petróleo nas mãos, o governo demorou apenas quatro anos a decidir mudar a capital da grande cidade de Almaty, para a cidade história de Tselinograd, cujo nome passou a ser Astana.

Na realidade, a cidade de Tselinograd sempre contou com a presença de alguns habitantes, mas geralmente contra a sua própria vontade, pois a cidade era conhecida como um dos gulags da União Soviética. Desde que Astana passou a ser a capital do Cazaquistão, a cidade passou de 250 a 700 mil habitantes, e passou de um cidade em tons de cinzento para uma metrópole colorida e cheia de vida.

4. Abuja, Nigeria

abuja

A Nigéria declarou a sua independência do Reino Unido no ano de 1960, e na década seguinte, viveu em guerras constantes. Nos anos 70, os líderes das várias facções e etnias do país decidiram que a Nigéria necessitava de uma nova capital, no centro do país, num sítio que não tivesse qualquer historial sangrento.

Com o descobrimento de petróleo no país, o dinheiro começou a chover e em 10 anos a cidade de Abuja ficou concluída, passando a ser a capital da Nigéria, no ano de 1991. Em apenas 20 anos, a população disparou até ao milhão de habitantes (três milhões em toda a área metropolitana), e a Nigéria passou a ser o sétimo país mais populoso do mundo. Estima-se que a Nigéria poderá ser o 3º país mais populoso até ao ano de 2050.

3. Doha, Catar

doha, catar

O Catar declarou independência no ano de 1971, e as enormes reservas de gás e petróleo começaram a ser exploradas pelo próprio país. Isso fez com que milhares de milhões de dólares começassem a fluir para este pequeno país, tão rapidamente que a Forbes não demorou muito tempo a atribuir ao Catar o título de nação mais rica do mundo.

Com tanto dinheiro, o Catar rapidamente cresceu em número de habitantes, e Doha conta já com uma população superior a um milhão. O dinheiro trouxe também a possibilidade do Catar organizar o Campeonato do Mundo de Futebol de 2022, uma decisão envolta em polémica já que nos meses de verão a temperatura média é de 45º, longe de ser o clima ideal para jogar futebol.

2.Navi Mumbai, India

navi mumbai

A cidade de Mumbai, anteriormente chamada Bombay, tem uma população de 12 milhões de habitantes. Mumbai cresceu e cresceu até atingir o seu limite em 1972, uma vez que está situada numa ilha na costa indiana. Navi Mumbai foi então criada no continente, mesmo em frente à cidade de Mumbai.

Navi Mumbai é de longe a maior cidade planeada do mundo. Em 40 anos, e com o objetivo de descongestionar Mumbai, a cidade cresceu exponencialmente, atingindo rapidamente 1,2 milhões de habitantes. Hoje em dia, Navi Mumbai continua a crescer de dia para dia em direção ao interior da Índia.

1. Dubai, Emirados Árabes Unidos

dubai

Em 1971, após a sua independência, o Dubai fez parte do grupo que passou a integrar os Emirados Árabes Unidos. Após o descobrimento de petróleo, o dinheiro que este gerou mudou para sempre a paisagem de toda esta área geográfica. Num período de 40 anos, a população passou de alguns milhares para 1,5 milhões de habitantes.

O Dubai passou a ser conhecido pela grande quantidade de construções excêntricas, entre as quais se destacam as ilhas em forma de mapa mundo ou de palmeiras feitas pelo homem. Os últimos 15 foram especialmente férteis em excentricidades e recordes, incluindo o edifício mais alto do mundo.

O excesso de construções levou a uma grande crise de crédito, que provocou o abrandamento e até o cancelamento de grandes projetos no Dubai.

Estas são 10 cidades que praticamente não existiam há 50 anos, e que rapidamente se tornaram gigantescas, pelo menos na sua grande maioria. Será que nos próximos anos teremos novas cidades planeadas como foram de resolver problemas de superpopulação em algumas partes do mundo?

Use as ← → (setas) para mudar de slide

Comentar